quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Belo texto...



"Algumas pessoas se destacam para nós (...) Não importa quando as encontramos no nosso caminho. Parece que estão na nossa vida desde sempre e que mesmo depois dela permanecerão conosco. É tão rico compartilhar a jornada com elas que nos surpreende lembrar de que houve um tempo em que ainda não sabíamos que existiam. É até possível que tenhamos sentido saudade mesmo antes de conhecê-las. O que sentimos vibra além dos papéis, das afinidades, da roupa de gente que usam. Transcende a forma. Remete à essência. Toca o que a gente não vê. O que não passa. O que é (...) Com elas, o coração da gente descansa. Nós nos sentimos em casa, descalços, vestidos de nós mesmos. O afeto flui com facilidade rara. Somos aceitos, amados, bem-vindos, quando o tempo é de sol e quando o tempo é de chuva. Na expressão das nossas virtudes e na revelação das nossas limitações. Com elas, experimentamos mais nitidamente a dádiva da troca nesse longo caminho de aprendizado do amor."
(Ana Jácomo)

6 comentários:

Dayane Ok. disse...

Há pessoas que fazem uma grande diferença mesmo,mudam nossos caminhos ,nossa visão de mundo,nos trazem esperaça...são enviados de Deus!

Lizete Delmonte Ferraz disse...

Voce se esqueceu de mim, é? pensei que íamos ser amigas sagitarianas, hahaha!!! gostei tanto de vc....

Lindo texto,ofereço-o para voce!
Um beijo com carinho...
Liz

Lizete Delmonte Ferraz disse...

Não me preocupo com seguidores, numero de visitas nem comentários...vim te ver pq realmente gostei de vc...

Evanir disse...

Muitas Vezes Deus Tira Alguem Que
Amamos Tanto.
Mais Esse Mesmo Deus Traz Alguem
Que Aprendemos Amar..
Por Isso NÃo Devemos Chorar
Pelo Que Nos Foi Tirado
E Sim ..Aprender A Amar O
QUE Nos Foi Dado ..
Nada Que È Nosso Vai Embora Para Sempre.
A Você Com Muito carinho um
feliz Domingo (DIA DOS PAIS)
Beijos No Coração.
Evanir.

FOLHAS DE OUTONO disse...

Boa noite!
Feliz dia dos pais...

Deus é Pai (Poema)
Composição: Fábio de Melo

Quando o sol ainda não havia cessado seu brilho,
Quando a tarde engolia aos poucos
As cores do dia e despejava sobre a terra
Os primeiros retalhos de sombra
Eu vi que Deus veio assentar-se
Perto do fogão de lenha da minha casa
Chegou sem alarde, retirou o chapéu da cabeça
E buscou um copo de água no pote de barro
Que ficava num lugar de sombra constante.
Ele tinha feições de homem feliz, realizado
Parecia imerso na alegria que é própria
De quem cumpriu a sina do dia e que agora
Recolhe a alegria cotidiana que lhe cabe.
Eu o olhava e pensava:
Como é bom ter Deus dentro de casa!
Como é bom viver essa hora da vida
Em que tenho direito de ter um Deus só pra mim.
Cair nos seus braços, bagunçar-lhe os cabelos,
Puxar a caneta do seu bolso
E pedir que ele desenhasse um relógio
Bem bonito no meu braço
Mas aquele homem não era Deus,
Aquele homem era meu pai
E foi assim que eu descobri
Que meu pai com o seu jeito finito de ser Deus
Revela-me Deus com seu
Jeito infinito de ser homem.
Bjsssssssssssssssssssssssss

Maria Valda disse...

[b]Oi Minha Amiga... obrigada pela visitinha...
E também estou aqui para parabenizar o lindo Blog.. e dizer que adorei este texto.. e me identifiquei muito com ele... pois recentemente conheci uma família que parece que conheço a século... e é verdade, tem pessoas que nos faz sentir assim, em sua companhia...
Um Beijooooooooooooooo e até a próxima!

Maria valda

Postar um comentário